sexta-feira, 6 de julho de 2007

Momentos de Loucura I

Sufocada pela língua do Rui mergulhada na minha boca, e trêmula como uma gelatina pela indescritível excitação, que me consumia naquele momento, senti me no céu quando ele me levantou a saia até a cintura e, pegando uma faca que estava sobre a mesa, simplesmente me cortou as cuecas, atirando-as para o cesto do lixo.
Em seguida, segurando-me pela cintura, levantou-me, sentou-me na pia fria da cozinha com as pernas bem abertas, descolou a sua boca da minha e libertou seu pássaro cativo, deixando-me ver e tocar um pau duríssimo, enorme, maravilhoso. Naquela posição, pernas bem abertas e louca de desejo estava já totalmente submissa a ele. Os seus olhos brilhantes percorriam me o corpo e, como não podíamos perder tempo, Rui foi firme e violento, penetrando-me de uma só vez. Tremula, eufórica e completamente transtornada pelo tesão que tomava conta de cada célula de meu corpo, foi o que senti quando aquele pau grosso saiu todo de dentro de mim, onde tinha ocupado cada espaço de meu íntimo. Quanta loucura, quanta imprudência, pensei, ouvindo o som do duche vindo do WC onde o Nelson, meu marido, a poucos metros de nós, terminava de tomar o seu banho...

1 comentário:

Tiago disse...

ficção,
entre o conto,
o que é em si o real?
o desejo em prazer
ou o prazer em desejo?

um abraço