sexta-feira, 13 de Julho de 2007

Experiência lésbica

Já tinha tido fantasias – secretas, e nunca contadas a ninguém – com mulheres. Essas fantasias são muito mais frequentes quando eu me masturbo. Deito-me na cama com as pernas abertas, e começo a tocar no meu grelinho. Com a outra mão acaricio o meu seio, e viajo nas minhas imaginações secretas. Começo a imaginar que uma mulher está ali na minha frente, chupando todo o meu clitóris, e meu gozo é fácil e intenso. Também já cultivei a fantasia de estar numa piscina, num dia de sol, com várias mulheres. E que de repente todas começavam a colocar-se em top-less, e depois umas começavam a beijar às outras e a chupá-las.

Nunca havia pensado em realizar tais fantasias. Achava que uma experiência lésbica seria algo íntimo, só meu, apenas no imaginário, utilizado para quando quisesse dar uma boa gozada.

Já fui cantada por algumas mulheres, mas nenhuma delas me agradava. Uma era demasiado gorda, e a outra era demasiado masculina. Descobri que, apesar de não ser muito exigente em relação aos homens com quem dormia, com as mulheres acontecia completamente ao contrário: ela devia ser bela e sedutora.

Frequentei algumas casas gls, com um amigo gay. Ele ficou beijando na boca de um homem lindo e musculado que encontrou por lá, e eu fiquei sozinha no meu canto. Também me excito ao ver um homem beijando outro, apesar de não utilizar esse pensamento para ficar excitada enquanto me masturbo.

Conheci algumas mulheres, também nada interessantes. Uma tinha idade para ser minha mãe, e minha mente bloqueou. Foi então que conheci a Priscila, mais ou menos jeitosinha, um pouquinho machão demais para o meu gosto, mas mesmo assim era mais feminina do que aquelas que eu tinha encontrado por lá. Ela quis saber o motivo de eu querer uma mulher mais feminina, já que eu já era assim. Eu respondi: “Não me leve a mal, por favor. Mas se for para sair com uma mulher fantasiada de homem, prefiro estar com um homem de verdade.” Contei que tinha fantasias com outras mulheres, mas que não sabia se já estaria preparada. Trocamos números de telefone, e um dia marcamos de sair. Ela levou-me num bar Gay. “Aqui a gente até pode se beijar, se quiser.” – ela disse me olhando nos olhos. Mas eu bloqueei e não consegui. Pedi desculpas e nunca mais nos encontramos.

Quando já nem mais imaginava que algo do género iria acontecer novamente, conheci a Sandra, no ginásio onde faço musculação. Ela é completamente feminina, tem o cabelo escuro, geralmente amarrado, cintura fina, bumbum empinado, peitos ligeiramente médios. Fazíamos o mesmo programa de pesos, então um dia ela puxou conversa. Nada demais… Apenas falamos sobre os programas que estávamos fazendo, sobre os horários que costumávamos ir, nada mais profundo que isso. Eu nunca tinha encontrado ela antes por lá, e ela dizia que frequentava o ginásio já tinha um ano, mas que costumava ir mais tarde, para a aula de localizada, e depois ficava para a musculação, até quase na hora do ginásio fechar. Eu disse-lhe que apenas ia às 19h, pois era tempo suficiente de sair do trabalho, arrumar algumas coisas em casa e ir malhar.

Não sei se foi propositadamente que ela mudou de horário, mas eu sei que comecei a vê-la todos os dias, e conversávamos sempre animadamente. Depois íamos para o duche. Uma das portas do duche tinha problemas, e as outras estavam ocupadas. Sem qualquer tipo de pudor, despi-me e tomei banho, e notei que ela me observava. Mas podia ser apenas alguma coisa da minha cabeça, então nem fiquei pensando muito naquilo. Ela ficou esperando eu acabar o meu banho, porque também queria tomar seu duche ali. Pediu que eu esperasse, que ela me dava boleia para casa. Ela despiu-se e seu corpo bem feito ficou ali, nu, na minha frente. Ela ensaboava-se toda, e ficava esparramando espuma por toda a cona, de forma exagerada. “Empresta-me seu condicionador?” – ela pediu, e, quando entreguei o frasco, ela acariciou as suas mãos molhadas do banho nas minhas. Ficou me olhando de forma insinuadora, mas ao mesmo tempo muito natural.

Quando ela me deixou em casa, fomos nos despedir e seu beijo tocou no canto da minha boca.

A partir de então, era sempre a mesma coisa, todos os dias. Talvez por eu ter falado tanto dos namorados que eu havia tido, ela nunca tinha tomado qualquer iniciativa clara, e eu até pensei que talvez fosse mesmo ilusão da minha cabeça.

Duas semanas depois era o show da Madonna, em Lisboa. Como duas fanáticas, decidíamos que não poderíamos perder. Foi uma dificuldade conseguir os ingressos, mas ela depois ligou-me, dizendo que tinha conseguido os últimos dois, e que então iríamos. Mas depois eu disse-lhe que talvez seria melhor ela convidar uma outra pessoa, porque ficaria muito tarde depois para voltar. “Não tem problema.” – ela disse. “Eu estou com as chaves do apartamento do meu irmão, que é lá em Lisboa. Ele está na França agora, e deixou-me o apartamento, para que eu tentasse arrendá-lo, mas eu primeiro tenho que trazer umas coisas pessoais dele que ainda lá estão. Fazemos assim: dormimos no apartamento dele e voltamos depois do almoço, tudo bem?”

Estava lotado, o que fez com que ficássemos muito encostadas uma na outra. Sua pele era macia e bem cuidada. Saímos de lá abraçadas, a cantarolar “Like a Virgin”. “Essa mulher é o máximo, não é? Com uma idade daquelas, e ainda tão cheia de energia!” – ela me dizia, e eu concordava.

Paramos para beber num barzinho, mas ela não bebeu muito, pois iria conduzir, e depois fomos para o tal apartamento.

Estava escuro e frio, mas era um apartamento simpático. Encaminhou-me até o quarto do irmão. Era um quarto de homem comum e solteiro, um pouco desorganizado e com um calendário de mulher pelada na parede.

- Acho que já nos divertimos imenso essa noite. É melhor irmos dormir… - ela disse.

Deitei-me na cama, e ela perguntou: “Vais dormir assim?” Eu disse que sim, pois havia me esquecido de levar roupa de dormir, mas que não havia problema, pois tanto a blusa que eu vestia, quanto a calça, eram de um tecido confortável.

- Não, não vais não. Acho que ainda deve ter algumas coisas do meu irmão aqui. – foi até o armário, que ficava do outro lado da cama, e puxou por uma camisola e jogou-a na minha direcção. – Deve ficar larga, mas é ainda melhor que dormir desse jeito que você está.

Tirei os sapatos e a calça, e vi seu rosto inclinar-se para a minha cuequinha branca, de renda. Não deu para fingir que eu notei o seu olhar, e ela então desviou: “Onde compraste essa cueca? É tão gira!!! Quero comprar umas iguais.”

Tirei a minha blusa e ela viu os meus seios, maiores que o dela, dentro do sutiã. Por um impulso inconsciente, virei de costas para tirá-lo, como se ela nunca tivesse me visto nua no banho.

Enquanto eu vestia aquela camisola, ela arrumava a cama, esticando os lençóis e depois indo buscar um grande edredon. Apesar de ter ligado o aquecimento, o quarto ainda não estava quente.

Saber que íamos ter que dividir a mesma cama deixava-me um tanto excitada. Mas eu não poderia fazer nada, a não ser que fosse ela a tomar a iniciativa.

Deitei-me de lado, de costas para ela. Dei-lhe boa noite e fingi que estava dormindo. Senti que ela se mexia muito na cama. De repente ouço-a perguntar:

- Carla, está acordada?
Pensei em fingir que estava dormindo, mas acabei por responder com voz de sono:
- Sim, estou…
- É que eu não estou habituada a dormir com roupa, mesmo sendo essa camisola do meu irmão. É que eu sempre dormi nua. Será que você se importa se eu tirar a roupa?
- Não, claro que não… Fique à vontade… - Tremi por dentro, mas brinquei para não demonstrar meu constrangimento: - Faça de conta que você está na sua própria casa…

Ouvi ela se levantar, e vi o vulto da camisola que ela tinha jogado para algures do chão do quarto. Não vi se tinha tirado a cueca, pois estava de costas. Mas já devia ter tirado… Nossa, e agora? Ela em poucos instantes estaria nua, bem do meu lado… Quando ela levantou o edredon, senti um arrepio, que não era apenas de frio. Ela deitou-se, e eu parecia sentir, mesmo à distância, o calor do seu corpo que exalava até ao meu. Tentei não me mexer, mas a verdade era que já não conseguia dormir. Ela não se mexeu muito, e ficou quieta depois de ter me desejado boa noite. Sentia que ela estava atrás de mim, e que não estava com a cabeça virada para o outro lado, e que até talvez estivesse me observando, mas não virei para constatar. Ainda pensei em dar uma viradela, como quem não quer nada, mas não o fiz.

Passaram muitos minutos. Talvez mais de uma hora. Eu continuava quieta. Fingia que dormia. Ela também estava quieta, e não se movia muito. Senti de repente que ela mexia no meu cabelo, muito de leve, como que para não me acordar. Fiquei ali sentindo aquela sensação gostosa, aquela excitação, sem mover um só músculo. Mas não aguentei ficar de estátua por muito tempo e, por descuido, acabei me movendo um pouco. Senti sua mão sair do meu cabelo. Ela parecia ter se virado de barriga para cima. Passados mais alguns minutos ela virou-se para mim, e aproximou-se um pouquinho mais. Passou a sua perna direita por cima da minha, e viu que eu não me movia. Depois passou a sua mão por cima dos meus braços, até encontrar os meus seios, por cima da camisola. Todo o seu toque era muito leve, mas, mesmo assim, fiquei com medo dos meus seios ficarem com os bicos rijos, ou das minhas pernas ficarem arrepiadas. Um turbilhão de excitação parecia estar dentro de mim, como se meu sangue circulasse em grande velocidade.

Dei um longo suspiro, como quem está a ter um sonho muito bom, e ela tirou a perna e a mão de mim. Virei o meu corpo para ela, com os olhos fechados, mas depois virei para o outro lado novamente, de forma a deixar o meu corpo um pouco menos distante do seu. Senti que ela apoiava o cotovelo esquerdo no travesseiro, e começou, de forma mais cómoda, a mexer no meu cabelo novamente. Puxou uns fios que estavam dentro da camisola. Depois pegou em todo o meu cabelo e segurou-o, deixando minha nuca visível. Senti o calor da sua boca aproximar-se no meu pescoço, e depois senti um beijo leve. Arrepiei-me, e isso não dava para eu controlar. Ela deve ter percebido, e então começou a dar-me mais beijos no pescoço, agora já mais intensos. Virei-me para ela, e fiz uma cara de surpresa. Ela olhou-me constrangida, mas não viu reprovação no meu olhar. Sem qualquer palavra, nossas bocas se aproximaram, e nos beijamos. Sua boca era gostosa, sua pele parecia seda, e o beijo era intenso, como se nossas bocas combinassem. Ela passou a mão pela minha cintura e ajudou-me a tirar a camisola. Tirei também a cueca, e estávamos as duas nuas. Nos beijámos cada vez mais encostadas, e nunca tinha sentido que um peito poderia ser tão quente. Nossos seios se encostavam, e só aquela sensação já me dava imenso prazer. Ela desceu a língua pelo meu pescoço, até encontrar o meu peito, e ficou chupando, durante um bom tempo, enquanto acariciava o outro com sua mão lisa. Era delicioso sentir sua língua nos biquinhos das minhas mamas, sentir sua boca toda a mamá-lo. Não era arranhada por nenhuma barba, e sua pele era tão delicada que a sensação de prazer era imensa. Demorou bastante tempo, chupando meus dois seios. Depois desceu a língua, deslizando pelo meu corpo, e parou no meu umbigo. Ficou lambendo meu umbigo, e beijando minha barriga… Então ela desceu mais um pouco. Delicadamente, passou a ponta da língua no meu clitóris, e ficou fazendo movimentos muito curtos, passando a língua levemente, de cima para baixo. Depois começou a chupar toda a minha cona, e foi aumentando a intensidade, como se quisesse colocá-la toda na sua boca. Eu estava cada vez mais excitada, e ficava levantando as ancas, fazendo meu clitóris encontrar sua boca. Ela enfiou a língua na minha cona, e delirei de prazer. Depois ela veio com um dedo e começou a meter na minha cona, enquanto sua língua continuava a acariciar meu clitóris. Logo a seguir meteu outro dedo. Comecei a dançar com aqueles dois dedos dela dentro de mim, seguindo movimentos cada vez mais velozes, até quando não resisti e gozei. Seu sorriso era de contentamento. Deitou-se ao meu lado e continuamos a nos beijar. Beijei-lhe também os seios, demoradamente. Mamei-os de forma intensa e meiga. Fiz um sinal para que ela viesse por cima de mim, de forma a ficar com as pernas abertas por cima da minha boca. Ela encostou-se na beirada da cama e aproximou sua cona da minha boca. Comecei a apenas deixar a língua levantada, enquanto ela ia rebolando a cona, de forma que a minha língua fosse encostando no seu grelo. Depois ela abaixou-se um pouco, e pude chupá-la deliciosamente. Eu ia colocar um dedinho, mas ela puxou a minha mão, como sinal de que não seria necessário. Começou a masturbar-se, tocando o seu dedinho no seu clitóris, enquanto eu ficava lambendo o buraquinho da sua rata. Sentou com a cona bem em cima da minha boca, e eu proporcionei-lhe uma grande lambidela. Começou a suspirar, e a rebolar cada vez mais rápido. Soltou um grito, e senti o seu melzinho descer pela minha boca.

Deitamos de frente e dormimos abraçadas, nuas e satisfeitas.

segunda-feira, 9 de Julho de 2007

Saboreia me...

e deixa me gozar...

Momento de Loucura III

...Nós sempre fomos muito realistas e, naquela noite, logo após termos chegado a um acordo, fomos para a cama e fizemos amor de uma forma simplesmente maravilhosa, na expectativa das respostas às cartas que o meu marido enviaria aos casais que escolhêssemos. Numa tarde de sábado, fui para o clube com meu filho e minha irmã, enquanto o Rui assistia a um jogo de futebol com meu marido, em minha casa. No intervalo, enquanto meu marido saiu para comprar mais cerveja, ele encontrou uma das cartas ainda não enviadas em cima da cómoda do meu quarto e, curioso resolveu lê-la. Não foi difícil entender o que estávamos á procura e, logo na segunda-feira seguinte, ligou me. Contou me tudo, disse que há muito que eu o “ deixava duro” e em consideração a meu marido e a minha irmã, me tinha dado espaço, confessou-se tarado por mim. E agora, na certeza de que eu estava disposta a dar me a outro homem, não via motivo para esconder o seu tesão por mim. Assustada e, confesso, também excitada, já que Rui era um homem muito atraente, tentei desconversar, dizendo que a carta era apenas uma curiosidade nossa, uma brincadeira, mas ele não acreditou e, a partir daquele dia, passou a ligar me sempre que não vinha visitar nos. Eu não contei nada ao meu marido, afinal, o nosso acordo era contratar casais e não parceiros sozinhos. Além do mais, eu não acreditava que ele fosse permitir uma foda com alguém tão chegado, com casamento marcado com minha irmã. Só que o Rui não queria saber desses detalhes e não me deixava em paz. Como a carne é fraca e os desejos muitos fortes, aos poucos foram cedendo a seus caprichos. Quando estávamos sozinhos, permitia às vezes que me beijasse de leve, passasse a mão no meu rabo, meus seios, minhas pernas e aquilo tudo foi me deixando tarada também. Tanto que o Nelson chegou a notar a minha tesão desmedida quando fodiamos só que, pensou ser resultado das excitantes cartas que vínhamos trocando com alguns casais. E foi então que o irremediável aconteceu, ou melhor, estava acontecer...

sábado, 7 de Julho de 2007

Anafado Traseiro


De redondo cu
ela cúbica te quer
como cólera química ou paz comum
que nada tão navega
a tua nádega núbica
de redondo nenúfar
nu furioso

No volume do cu
velo o teu lume
ocioso cio de mulher
nos colhões que te encosto
pelas costas
no cu que te descubro
pelo olho
no volume que rasgo
pela vela
do duro coração na comoção
de ter-te pelas tetas
colocada na posição
decúbita
colada
da comunicação.

E.M. de Melo e Castro

Momentos de Loucura II

...Nos braços de meu primeiro amante, recusava me a acreditar que tudo aquilo me acontecera, a mim, uma mulher que, até então, nunca tivera qualquer caso fora do casamento. Mas era verdade, e a presença máscula e excitante do Rui dentro de mim não deixava qualquer dúvida. Sim, estava sendo possuída pelo melhor amigo de meu marido e noivo de minha irmã, sentada sobre a pia de minha cozinha, o rabo prensado contra os pratos sujos do jantar.
Alucinada pelo desejo que nos consumia, e já sem me preocupar com o risco que corríamos, cruzei as pernas em volta da cintura dele e concentrei me no nosso prazer, sentindo meu corpo balançar a cada investida dele, enquanto uma gotinhas marotas pingavam da torneira e me escorriam pelo rego.
Paramos de nos beijar para poder respirar e aí murmurei lhe: “ És completamente louco Rui”. E ele, com o seu ar malandreco, respondeu me que eu, sim, é que era muito louca e a mulher mais tesuda do mundo. E foi, no meio daquela transpiração toda que os meus pensamentos retrocederam no tempo, uns quatro meses atrás, na noite do meu aniversário. Eu fazia 27 anos e oito de casada, um casamento feliz, um filho lindo, um marido excelente... Faltava o quê?
Naquela noite, com a certeza dos nossos sentimentos, de que nos amávamos muito, tivemos uma conversa franca, eu e o Nelson,meu marido, e concluímos que a rotina estava a ameaçar nos, tinha chegado a hora de apimentarmos a nossa vida sexual, muito desgastada pelos anos, apesar de fazermos sexo intensamente. Decidimos então começar a contratar casais através de revistas masculinas.Afinal, considerámos na conversa qual o homem, por mais bem-casado, que não deseja um dia montar outra mulher? E qual a esposa, por mais honesta, que não pense também, pelo menos uma vez, em libertar-se completamente nos braços de outro macho?...



sexta-feira, 6 de Julho de 2007

Manuais Eróticos Hindus

O Kama Sutra


O Kama Sutra, livro que fala sobre o comportamento sexual humano, foi escrito por Vatsyayana, um filósofo indiano que viveu durante o séc. IV.
Na filosofia hindu o amor, o prazer e a satisfação (kama) são inerentes a todos os indivíduos e devem caminhar em harmonia com o dharma (mérito religioso) e o artha (aquisição de riqueza e bens). A união destes três elementos forma a plenitude do ser humano bem-sucedido e faz do sexo uma arte.
Para os hindus a vivência da sexualidade é encarada como uma virtude de homens e mulheres, que devem praticá-la e desfrutá-la dia após dia, num crescente conhecimento do próprio corpo e do parceiro.
O exercício da sexualidade registrado nos textos do Kama Sutra, abrange dezenas de posições para a relação sexual, a descoberta das zonas erógenas, a importância do ambiente propício, as formas de acariciar e massagear o parceiro e a técnica do beijo.

Posições Sexuais Hindus


• Sentada
O homem senta de pernas cruzadas em um tapete ou na cama; a mulher acomoda-se em seu colo virada de frente para ele. O homem levanta as pernas da mulher, colocando-as debaixo de seus braços e movimenta o corpo dela sobre o pénis erecto.

• De pé
O homem levanta a mulher até a altura da cintura e ela entrelaça os braços no pescoço dele e as pernas nos quadris do parceiro. A mesma técnica pode ser usada com a variação da mulher levantar apenas uma perna e colocá-la na cintura do homem, deixando a outra como apoio.

• Penetração por trás
A mulher apoia-se com as mãos e os joelhos no solo ou na cama (a chamada posição de quatro). O homem ajoelha-se atrás dela e a puxa ao seu encontro. Uma variação é a "pose do elefante", na qual a mulher deita de bruços e encosta o abdómen na cama enquanto o homem deita-se por cima.

• Mulher por cima
O homem deita-se de costas e a mulher deita-se sobre ele acomodando-se ao pénis. Para proporcionar maior prazer e movimento, a mulher curva-se para trás e acaricia os quadris do parceiro durante a penetração.

Uma variação é o homem deitar-se de costas e a mulher sentar-se sobre ele de pernas cruzadas. Em seguida a mulher segura o pénis e o insere, fazendo movimentos com os quadris para cima e para baixo, entrando e saindo, e contraindo os músculos vaginais sobre o pénis.


*Todas as imagens ilustradas no Kama Sutra

Momentos de Loucura I

Sufocada pela língua do Rui mergulhada na minha boca, e trêmula como uma gelatina pela indescritível excitação, que me consumia naquele momento, senti me no céu quando ele me levantou a saia até a cintura e, pegando uma faca que estava sobre a mesa, simplesmente me cortou as cuecas, atirando-as para o cesto do lixo.
Em seguida, segurando-me pela cintura, levantou-me, sentou-me na pia fria da cozinha com as pernas bem abertas, descolou a sua boca da minha e libertou seu pássaro cativo, deixando-me ver e tocar um pau duríssimo, enorme, maravilhoso. Naquela posição, pernas bem abertas e louca de desejo estava já totalmente submissa a ele. Os seus olhos brilhantes percorriam me o corpo e, como não podíamos perder tempo, Rui foi firme e violento, penetrando-me de uma só vez. Tremula, eufórica e completamente transtornada pelo tesão que tomava conta de cada célula de meu corpo, foi o que senti quando aquele pau grosso saiu todo de dentro de mim, onde tinha ocupado cada espaço de meu íntimo. Quanta loucura, quanta imprudência, pensei, ouvindo o som do duche vindo do WC onde o Nelson, meu marido, a poucos metros de nós, terminava de tomar o seu banho...